s o n s . i m a g e n s . p a l a v r a s
05
Mar 09
joão semog, às 20:19link do post | comentar
    2 0 0 8   
Tenho muito gosto em partilhar as minhas escolhas pessoais em termos dos discos que mais me marcaram no ano de 2008. Músicos que têm direito ao merecidíssimo reconhecimento do seu trabalho. Destaco especialmente Peter Broderick, multi-instrumentista norte-americano actualmente a trabalhar na Dinamarca, autor do sublime Home. Os Fleet Foxes com o seu álbum homónimo remexeram nas suas raízes musicais e fizeram um belíssimo retrato dos EUA. A banda inglesa The Accidental, no seu álbum de estreia There were wolves, conseguiram demonstrar com a difícil simplicidade como se fazem excelentes canções. O norte-americano Justin Vernon, sob a capa Bon Iver, deu uma lição de personalidade e criatividade com o seu melancólico For Emma, forever ago. Joan Wasser, a mulher-polícia de Nova Iorque, apresentou To survive em grande forma e cheia de segurança. Em Portugal e em bom português, destaco B Fachada que, carregado de orgulho nacional, surpreendeu com a sua Viola Braguesa.

publicado a 9 de Janeiro de 2009

 

Sinto-me como um garimpeiro escavando na www na expectativa de encontrar ouro e se possível em estado bruto. E tenho encontrado autênticas pepitas que me enriquecem musicalmente e que me fazem renovar o entusiasmo. Encontram-se essencialmente a norte. Vêm da América do Norte - Bowerbirds, Balmorhea, Chris Garneau, Eluvium, Goldmund, Sabertooth, Small Sur, William Fitzsimmons… Vêm da Europa do Norte - At swim two birds, The Montgolfier brothers, The Otto show, Ass, Adem, Butcher the bar, Erik Enocksson, Efterklang, Frederik, Heather Woods, Loney dear, Martin Grech, Melpo Mene, Racket and ball, Seabear, Thomas Dybdahl… E muito especialmente Peter Broderick, o homem dos sete instrumentos que veio dos EUA para a Dinamarca. Obrigado ao Vidro Azul por me indicar o inesgotável filão.

publicado a 19 de Dezembro de 2008

 

There were wolves, álbum de estreia de 2008 dos ingleses The accidental, foi a banda sonora perfeita das minhas férias de verão, tanto na praia como no campo. Fixaram o pôr-de-sol das praias atlânticas de Sagres e aqueceram as noites escuras e incrivelmente estreladas da aldeia da Beira Baixa. O álbum sugere quase um ensaio improvisado, descontraído e divertido, com sons de pássaros, risos, palmas... As canções são limpas, melódicas e com ritmos bem delineados. Sonoridade acústica tecida com cordas de viola, violino, violoncelo e harpa entrelaçadas com límpidas cordas vocais.

publicado a 26 de Setembro de 2008

 

The high llamas, banda irlandesa injustamente pouco reconhecida, têm o efeito raro de proporcionarem a cada audição um crescente interesse e inesperada atenção a cada novo detalhe. Sean O'Hagan e seus parceiros, desde 1991 que vão inventando e imprimindo a sua obra, revelando o seu estilo muito próprio, excelentemente documentado na compilação de 2003 Retrospective, rarities & instrumentals - 31 belas músicas que retratam 9 anos de história da banda e seu carácter. Tornou-se ansiosa a espera por novos trabalhos. Can cladders de 2007, não desapontou. Sean voltou a pontuar e a dar mais uma bela pincelada na obra dos The high llamas. Passou ao lado de muita gente a que não será alheia a imagem gráfica dos seus trabalhos - invulgar, primária e intencionalmente kitsch. Mas quem gosta, gosta sempre...

publicado a 19 de Outubro de 2008

 

A Europa é uma aldeia. E fala a mesma música. Les heures de raison é o exemplo perfeito. Álbum de 2007, de uma banda belga, com nome espanhol Soy un caballo, produzido por um irlandês Sean O’Hagan e cantado em francês. Tudo bem misturado e ainda com uma pintada de voz agridoce de um americano Bonnie “Prince” Billy, um pouco assotacado. A apresentação do cd e o respectivo theirspace na net são belíssimos. E… Sean O’Hagan, com ou sem os The high llamas não pára de surpreender. Na mouche.

 

Por trás de um grande homem só poderia estar uma mulher muito especial. Joan Wasser, Joan as a police woman para os amigos, é como as poucas jóias que o seu ex-namorado, Jeff Buckley, nos deixou, a que nos agarramos o mais que podemos para o termos sempre presente. Desta vez somos surpreendidos e fomos nós agarrados por esta senhora que, cheia de charme e sedução, nos vai contagiando mais e mais, à medida que surgem os seus trabalhos, Joan as police woman e Real life de 2006 e, especialmente, To survive de 2008. Irresistível e indelével…tal como Jeff.

publicado a 22 de Agosto de 2008

 

Há efectivamente magnetismo nos The magnetic fields. Confesso que fiquei agarrado, como que hipnotizado, à beleza das canções de Stephin Merritt. O concerto da Aula Magna foi uma verdadeira serenata ao luar apenas com 5 estrelas brilhando no palco: Stephin Merritt (voz e bouzuki), Claudia Gonson (piano e voz), Sam Davol (violoncelo), John Woo (guitarra acústica) e Shirley Simms (voz convidada). Belíssimas canções em registo baixo e toada calma para um perfeito silêncio interior. O tempo parou. Só o pensamento pairava pelas letras, pelas melodias, pela vida...Não que tenha sido um "espectáculo" mas foi certamente um daqueles momentos que ficam gravados para sempre. Agradeço a lição de vida que proporcionaram, o abanão na actual insensibilidade para momentos simples, a poesia, o sentido de humor e a valorização da liberdade de expressão de cada um. Perfeito.

 

29 de Abril, noite do concerto de José González em Lisboa. A minha expectativa era alta e não foi defraudada. Aliás, a primeira parte foi uma bela surpresa. Sean Riley e os seus Slowriders, portugueses por fora e americanos por dentro, demonstraram grande garra e talento e mereceram os muitos aplausos. José González, a sua peculiar voz e a magia da sua guitarra, acalmaram o ambiente, rendendo-nos ao seu talento e virtuosismo. Com grande profissionalismo e segurança, ofereceu, sem vacilar e com contida emoção, um concerto de grande qualidade. Apesar do ambiente bem quente do público português que enchia a Aula Magna, González foi servindo fria e calmamente duas dúzias de quadradinhos de chocolate sueco com suave sabor a cacau argentino. Com momentos de lamber os dedos, em especial o tema Teardrop, muitos outros souberam bem, mas um pouco sempre ao mesmo.

 

Que sorte a minha! Sempre que ouço Passing stanger de Scott Matthews, tenho a sensação que fui um dos felizes contemplados com um prémio, uma espécie de segredo que me foi revelado... pela Rádio Radar. Claro que aproveito ao máximo e quanto mais ouço mais gosto. A curiosidade e alguma ansiedade aumentam à medida que aguardo por mais notícias deste músico inglês. Gravou recentemente The boy with the thorn in his side dos Smiths, em versão que, na minha opinião, supera a de Morrisey. Semelhança com Jeff Buckley não é pura, mas brilhante coincidência. Scott tem alma, garra! As canções deste álbum de 2007 são todas magníficas e a arte do cd irrepreensível.

publicado a 9 de Maio de 2008

 

Os The The foi a banda que mais me marcou a adolescência. Arranjava tudo o que podia: todos os lps e maxis, os videos, o livro, as t-shirts (e outras que eu próprio pintava com os desenhos do grupo), fui ao concerto em Lisboa, vi em Londres a exposição de Andy Dog, irmão de Matt e autor de toda a arte gráfica do grupo. Matt Johnson, a alma (soul seria a palavra certa) dos The The, com apenas 20 anos fez um álbum histórico Burning blue soul em que tudo experimentava e tocava, qual Panda Bear em Person pitch de 2007, só que estavamos em 1981! Matt Johnson tinha muito estilo e era o meu ídolo por alturas de Soul mining de 1983 e Infected de 1986. Arte em plena revolução. E foi tão intenso em mim que não consegui assistir ao esgotamento criativo de Matt já evidente em Mind bomb de 1989. Senti-me triste porque perdi-o, mas quem mais perdeu foi a música que não voltou a ter nada semelhante... A propósito, que é feito de Matt Johnson?

publicado a 25 de Abril de 2008

 

Com surpresa, só agora descubro o magnífico álbum Going to where the tea trees are, trabalho de 2006 de Peter van Poehl. Infelizmente tornou-se difícil encontrar canções simples, mas este músico sueco mostra-nos como ainda é fácil fazê-las. Este álbum contém uma dúzia de belas canções que evidenciam honestidade, profissionalismo e paixão pelo trabalho. A entrega pessoal e genuína é uma qualidade rara que cada vez mais valorizo na música e na arte de uma forma geral. Deste artista, qual diamante em bruto mas com enorme potencial, foi lapidada uma jóia de beleza rara The story of the impossible. Com um pé na Suécia e outro em Berlim, mostra como a Terra pode ser uma aldeia que por vezes fala toda a mesma música.

publicado a 11 de Abril de 2008

 

A noite de 13 de Março na Aula Magna foi especial. A noite de um bom espectáculo é sempre especial. Patrick Watson e a sua banda deram um concerto estranho mas muito criativo e interessante. Com sonoridades experimentais, fusões de estilos e sobretudo ambientes extremos, embalando ao piano com voz sussurrada ou explodindo em loucura colectiva. Grande empatia entre os quatro músicos com fabuloso trabalho de Robbie Kuster, baterista/percussionista, que valorizou jazzisticamente o espectáculo. Luscious life e a nova Midnight express foram incríveis e grandiosas. The Great escape foi uma oportuna tranquilidade. Faltou a arrepiante To build a home… Patrick Watson, embora exagerando em teatrealidade, não desleixou o profissionalismo, gozou a sua música como uma criança, divertiu o público e deixou bem marcada a sua passagem por Lisboa.

publicado a 28 de Março de 2008

 

Há algo de novo na música portuguesa. Algo revolucionário e genuíno. Nosso sem ser fado. Podia ter voz mas não tem. Só guitarra e uma pitada de contrabaixo. Um som novo de bairro velho, uma luz ao fundo da rua. Com o passado presente mas com olhar vivo para o futuro, Norberto Lobo dedica o seu disco de estreia em 2007 Mudar de bina ao mestre Carlos Paredes. Homenagem bem feita sem copiar, inventando à sua maneira. Um lobo a uivar em bom português e de unhas bem afinadas. Parabéns!

publicado a 11 de Janeiro de 2008

 

José González é um compositor que nasceu no frio da Suécia, com sangue quente dos mares do sul, de seus pais argentinos. O seu trabalho é mais um exemplo da magia e força que pode haver na simples fusão de um músico com uma guitarra acústica. Assim era João Gilberto (outro JG) de quem que lhe chegou inspiração, certamente pela corrente quente do Golfo. José é um músico interessante e interessado. Cursou em bioquímica e estuda antropologia, tema que utilizou para o seu último trabalho In our nature de 2007. A simplicidade das suas composições, a paixão pela acústica e o minimalismo gráfico e invulgar que escolhe para os seus álbuns, conferem-lhe uma identidade muito própria e coerente. O seu trabalho começou com o álbum Veneer de 2005, como a primeira peça da obra agora continuada. É como um pequeno puzzle, com as peças adquiridas por fascículos, cujo resultado é um pouco previsível mas na mesma divertido de jogar.

publicado a 4 de Janeiro de 2008


joão semog, às 00:08link do post | comentar

 

    2 0 0 7   

 

Gosto de fazer as minhas listas. Listas muito pessoais e baseadas apenas no que conheço bem, pelos álbuns que comprei, concertos que assisti e audições alargadas - obrigado à rádio Radar. São estas as minhas escolhas de 2007: Rufus Wainwright – Release the stars, altamente valorizado pelo concerto de Lisboa; Patrick Watson – Close to paradise, de 2006 que apenas nos chegou este ano mas merecidamente carimbado com o Polaris Prize; Beirut – The flying club cup, superou o álbum de estreia com ajuda mágica de Owen Pallett; Scott Matthews – Passing stranger, a acompanhar com atenção pois Jeff Buckley anda por aqui; José Gonzaléz – In our Nature, simplicidade e autenticidade.
publicado a 14 de Dezembro de 2007
 
Reescrevo sobre Patrick Watson. É o vencedor do Polaris Music Prize de 2007 - melhor música do Canadá. Inesperado?... Owen Pallett também em 2006. Ambos derrotaram os Arcade Fire. Penso que foi reconhecida a originalidade e a diferença que trazem para a arte. O violinista Owen Pallett (Final Fantasy) fez em 2006 o álbum He poos clouds, orquestrou os Arcade Fire e mostrou arte magistral em Lisboa, expondo-se num espectáculo inolvidável no Club Lua. Patrick Watson, que colaborou recentemente com os The Cinematic Orchestra, usou o piano, a voz e uma banda para compôr o álbum Closer to paradise, que lhe valeu o prémio. Música para saborear lentamente como algo precioso que nos enriquece.
publicado a 23 de Novembro de 2007
 
Do I disappoint you? No, you don’t at all. Terça-feira o Coliseu de Lisboa foi palco pequeno para o enorme talento, virtuosismo e brilho naturais de Rufus Wainwright, demonstrando no seu concerto - aliás, espectáculo - que mesmo o excesso de lantejoulas, maquilhagem e broadway não ofuscaram. Uma enorme bandeira dos EUA, sem as estrelas, serviu de pano de fundo à apresentação da discografia deste músico canadiano de 33 anos, especialmente do recente álbum Release the stars. Três horas de sonho embaladas com canções como The art teacher ou Poses, ou festejados com Between my legs ou I don’t know what it is, ou esmagados por momentos inesquecíveis de apoteose como Slideshow ou Beautiful child. Rufus mostrou-se verdadeiro e foi essa autenticidade e entrega que fez criar o fabuloso ambiente de empatia com o público e que fez brilhar mais uma estrela na noite de Lisboa. The world’s greatest entertainer, como se auto-intitula. Não queria crer mas agora creio.
publicado a 9 de Novembro de 2007
 
Reescrevo sobre Zach Condon e reescrevo sobre Owen Pallett. Que hei-de fazer? Serei eu limitado de gostos ou muito selectivo? Ou esta gente tem feito coisas interessantíssimas em tão pouco tempo... Ao primeiro álbum de Zach “Beirut” Condon ergui o copo e brindei a este jovem músico americano. Agora tenho que fazer algo mais perante o magnífico The flying club cup de 2007. Trata-se do primeiro filho da união destes dois músicos talentosos, que cresceu dentro de Zach ouvindo toda uma parafernália de instrumentos, sendo depois ajudado a criar e educado com a mestria do canadiano Owen que o embalou ao som do seu violino. 5 estrelas.
publicado a 9 de Novembro de 2007
 
 
Tomem nota deste nome e desta canção: Patrick Watson – To build a home. É, na minha opinião, uma das melhores vozes e canções deste ano. Pertence ao albúm Ma fleur de 2007 dos The Cinematic Orchestra. Comprei o disco por causa desta música - coisa um pouco rara nos dias de hoje - mas tive o brinde da qualidade geral do álbum. Ilustrado com uma excelente imagem na capa e com óptimas fotografias no interior. Mas apenas To build a home enche todo o espaço, silencia o interior e faz parar tudo. É uma canção plena.
publicado a 28 de Setembro de 2007
 
 
Esbarrei com dois filhos de Tom Waits, talvez frutos de algum romance nos Balcãs com uma cigana de Kusturica: Nick Urata (Devotchka) e Zach Condon (Beirut). Estes dois músicos americanos trilham o seu caminho de forma promissoramente interessante, decidida  e confiante. Beirut com o seu trabalho de estreia Gulag Orkestar/ Lon Gisland de 2006 explode de alegria e vida. Devotchka com o seu terceiro albúm How it ends de 2004 rivaliza-o em alcolémia e confirma a grande voz de Nick. Resumindo, dois maestros de delirantes orquestras bizarras e burlescas, sob a batuta do mestre Tom. Brindo aos três.
João Semog, publicado a 14 de Setembro de 2007, foto via last.fm
 
 
Felizmente, acabo de saber do regresso de Rufus Wainwright a Portugal para promoção do seu último trabalho Release the stars. Infelizmente, já fiquei mais entusiasmado com o trabalho deste músico canadiano, nomeadamente com os excelentes álbuns anteriores – Rufus Wainwright de 1998, Poses de 2001, Want one/want two de 2005. Este álbum de 2007 divide-me. É uma obra de grande perfeição, mas também é o que isso representa de negativo, triste e enfadonho. Rufus parece-me enfeitiçado, autoestrelando-se com luzes acessórias, quando ainda tem intacto o seu brilho natural, simples e muito intenso. Ao vivo acredito sinceramente que sim. Lá estarei para ver...
publicado a 17 de Agosto de 2007
 
 
Acabei de receber na minha pequena caixa de correio uma caixa de grande música. O cd duplo The Robin's Tiny Throat, reedição de 3 esgotadissímos álbuns de Baby DeeLittle window de 2000, Love’s small song de 2002 e Made for love de 2005. Desde 6 de maio de 2006, noite do seu enorme e intenso espectáculo na Zédosbois, que procuro estas maravilhosas canções. Música que nos recolhe para o silêncio interior quase absoluto, como rendidos perante uma paisagem tocante. Sobe-se ao céu por instantes, ou simplesmente trepa-se a uma árvore e escuta-se os pássaros. Viciei-me e sinto-me bem, muito bem. Obrigado Baby Dee.
publicado a 6 de Julho de 2007

 


joão semog
pesquisar neste blog
 
tags

2000-2009(3)

2007(1)

2008(1)

2009(1)

2010(2)

2011(1)

2012(1)

2013(1)

2014(1)

2015(1)

2016(1)

a dancing beggar(1)

alela diane(1)

anywhen(1)

apparat(1)

arquitectura(11)

at swim two birds(2)

baby dee(2)

balmorhea(1)

banda desenhada(2)

benjamin clementine(1)

benoît pioulard(2)

bernardo sassetti(1)

bill callahan(3)

bon iver(1)

brian borcherdt(2)

carlos bica(1)

concertos(10)

dakota suite(2)

damien jurado(1)

desenho(18)

discos(2)

eddie vedder(1)

eluvium(2)

esquisso(9)

família e amigos(12)

filmes(3)

fleet foxes(1)

fotografia(21)

francis bell(1)

frases(9)

gem club(1)

gil scott-heron(2)

gjon mili(1)

graffiti(1)

great lake swimmers(1)

heather woods broderick(1)

holy fuck(1)

ípsilon(26)

jazz(3)

jeff buckley(2)

jim jarmusch(2)

joan wasser(1)

joão paulo(1)

joey ramone(1)

johnny flynn(1)

josé gonzález(1)

julian casablancas(1)

king creosote & jon hopkins(1)

lambchop(1)

laura marling(1)

livros(6)

malcolm lowry(1)

marble sounds(1)

marco mahler(2)

mário laginha(1)

mark kozelek(2)

matt elliott(2)

matt johnson(1)

matthew robert cooper(1)

message to bears(1)

michael hedges(1)

mombi(1)

moonface(2)

músicas(44)

neil hannon(2)

nick drake(1)

nico muhly(1)

nils frahm(1)

nina simone(1)

noiserv(2)

norberto lobo(2)

off the international radar(1)

owen pallett(4)

patrick watson(2)

peter broderick(4)

peter van poehl(1)

pintura(2)

poesia(3)

roger quigley(2)

rufus wainwright(2)

shearwater(2)

sugestões(2)

sun kil moon(2)

the magnetic fields(2)

the the(2)

tom rosenthal(2)

tom waits(6)

vídeos(48)

zeca afonso(3)

todas as tags

Janeiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31